Qual será o futuro de Janelle Monáe?

O futuro de Janelle Monáe é incerto, mas se há uma certeza é de que essa moça tem bastante futuro. Seja onde for, na música ou no cinema. A cantora ganhou notoriedade no Brasil quando se apresentou no Rock in Rio em 2011, mas pra quem está comendo barriga e ainda não a conhece, Monáe é uma cantora norte-americana de 35 anos que surgiu há 10 anos com o elogiado EP “Metropolis” – referência ao clássico filme de Fritz Lang. Nesse EP, a cantora banca o David Bowie; não pela sonoridade, nem nada, mas porque toma como clara referência o icônico personagem Ziggy Stardust e narra pelas faixas do disco a história de uma androide chamada Cindi Mayweather, cuja cabeça está ameaçada porque ela se apaixonou por um humano. A menina já surgiu quebrando tudo com uma gravação original e storytelling cativante.

De lá pra cá, só confirmou a que veio. Janelle Monáe está certamente no seleto balaio de artistas da música contemporânea que captaram a essência do soul e do R&B e revolucionaram para os dias atuais. A galera da Motown dos anos 60 certamente ficariam orgulhosos. Em seus dois álbuns, “The ArchAndroid” (2010) e “The Eletric Lady” (2013), Monáe viaja no tempo, passeia por Prince e Steve Wonder, pega uma referência cinematográfica aqui e ali (“1984”, “Blade Runner”) e volta para adaptar ao presente com baladas excelentes e canções envolvidas em um contexto narrativo bastante interessante.

Bom, se rolou a insistência em narrar uma história por meio da música desde o seu primeiro CD, não é de se admirar que ela iria parar no cinema. E, assim como na música, deixou a crítica especializada e os produtores de Hollywood aos seus pés. E mais: ela estrela duas produções indicadas ao Oscar 2017 na categoria Melhor Filme. Tratam-se de “Moonlight: Sob a Luz do Luar” (estreia no Brasil em 23/02) e a cinebiografia “Estrelas Além do Tempo”, que está em cartaz nos cinemas brasileiros, e lá nos EUA já está registrada como uma das maiores bilheterias do ano passado. A cantora/atriz rouba a cena e revela um admirável timing cômico.

Há algumas semanas, ela ganhou o prêmio máximo do SAG (Sindicato dos Atores) de Melhor Elenco, junto com as atrizes Taraji P. Henson e Octavia Spencer. Em “Estrelas Além do Tempo”, filme ambientado nos anos 60, o trio interpreta funcionárias reais da NASA que, negras, precisaram passar por cima da intolerância racial absurda daquela época e mostrarem serviço. A competência dessas mulheres foi peça fundamental para a corrida espacial que levou os Estados Unidos a lançarem o primeiro homem à lua. Embora adocicado demais, o filme é bacana e cheio de boas intenções. Saca o trailer:

Com tantos louros conquistados, tanto no mercado fonográfico quanto no cinematográfico, retomamos a pergunta que batiza esse texto. Qual será o futuro de Janelle Monáe? Por enquanto, não há nada em vista. Nenhuma notícia de novo álbum vindo por aí – e já fazem 4 anos, hein... –, nem no cinema ou televisão. Mas é fato que não vemos a hora de Janelle Monáe voltar à ativa e presentear o público com um de seus talentos.

Pra encerrar, talvez a sua melhor obra até então: