5 pais e filhos que seguem a trilha da música nacional

Longe da gente querer afirmar com certeza absoluta qualquer teoria de natureza científica, mas dizem por aí que o talento está no DNA do ser humano. Não se sabe se a predisposição às artes está ou não no sangue, no entanto, há vários artistas que comprovam essa suposição da hereditariedade. Pais e filhos dividindo a mesma cena se faz presente no campo das artes cênicas, visuais, dança e da música, é claro, especialidade de casa.

Na semana do Dia das Mães, o Buda nos apresenta uma lista com algumas proles que seguiram os passos dos pais na música brasileira, e mesmo não dividindo o mesmo gênero – até porque ninguém é obrigado – ambos tem ritmo, tem simbiose, tem sintonia.

Menções honrosas: Jair Rodrigues, Zizi Possi, Tom Jobim, Cássia Eller, João Gilberto, Miúcha, Rita Lee, Raul Seixas, Baby do Brasil, Pepeu Gomes... todos tem filhos cantores/músicos, mas né, o Buda é reconhecido pelo seu bom gosto e exigência e nem todo mundo passou para a próxima fase dos 5 selecionados.

E antes que alguém pergunte: não, não trabalhamos com Sandy & Junior.

#5 Lenine e João Cavalcanti (Casuarina)

Lenine é de lei todo mundo conhecer. É obrigação mesmo. Na pegada do Nando Reis, talvez um pouco mais experimental, eles são dois dos melhores compositores em atividade na música contemporânea, e até a suas vozes “imperfeitas” dão um toque especial para as canções. Lenine também é conhecido por apadrinhar muita gente nova e boa que está começando, dando os primeiros passos... e foi assim há 10 anos com o Casuarina, que tem no vocal o seu filho, João Cavalcanti. Direto das quebradas da Lapa, Casuarina é um ótimo grupo de samba, tem boas músicas, tem personalidade. Neste mês, eles lançam o próximo álbum, intitulado “7”. Vale a pena demais conhecer. No vídeo abaixo, pai e filho dividem o palco e mostram que tem gingado.

 

#4 Baden Powell e Marcel Powell

O mais fino da música instrumental brasileira a gente encontra em Baden Powell. O cara pegava um violão e fazia milagres, aqueles dedilhados, aqueles arranjos com o seu grupo... é incrível a sonoridade de Jazz e Bossa Nova que conseguia tirar, sempre com aquele pezinho no samba. Vítima de pneumonia aos 63 anos, hoje Baden Powell é referência para muitos músicos, inclusive para o filho, Marcel Powell, que também está sempre com um violão na mão e segue mundo afora fazendo apresentações em concertos e festivais. No vídeo abaixo, Baden filho apresenta ao público uma composição que seu pai fez para ele enquanto era estudante de música. Emocionante.

 

#3 Elis Regina e Maria Rita

Aqui não temos nem o que falar, né? Dois balaústres da música popular brasileira, cada uma em sua época: Elis, a Pimentinha, cantou e encantou o mundo nos anos áureos, depois passou o bastão para a filha, nome essencial da MPB contemporânea. A influência da mãe em suas músicas, em sua performance no palco, seu perfil é muito evidente. A voz destoa um pouco, mas talvez para a melhor, porque a intenção – felizmente – não é ser uma reprodução, uma cópia. Cada uma dessas cantoras é especial à sua maneira. Se você nunca viu, dá o play na Maria Rita cantando um dos hinos que ficou eternizado na voz de sua mãe, “Como Nossos Pais”, cuja letra é de autoria do Belchior, é sempre bom frisar...

 

#2 Luiz Gonzaga e Gonzaguinha

Tiveram outros, é claro, mas foi Luiz Gonzaga que popularizou o Baião pernambucano e levou para o resto do Brasil. A alcunha de “O Rei do Baião” não é à toa. De origem humilde e sempre lembrando de sua tradição, de sua família, de sua terra, de onde veio, Gonzagão, o “sanfoneiro macho”, enriqueceu o cancioneiro do Brasil com clássicos antológicos, de “Asa Branca” a “Vida de Viajante”. Seu filho, Gonzaguinha, perpetuou o legado deixado pelo pai, mas sua morte precoce em 1991, aos 45 anos, calou a voz de um dos cantores mais promissores e adorados do país.

 

#1 Dorival Caymmi, Danilo Caymmi, Nana Caymmi e Alice Caymmi

Licença, licença que a Dinastia Caymmi vai passar. Lenda do Samba, Dorival levou a Bahia para o resto do mundo com suas canções de influência forte da música negra, melodia perfeita e versos poéticos. Aí beleza, foi um dos principais cantores e compositores dos anos 40 e 50, até aqui tudo certo. Mas aí se casou e teve uns filhos, entre eles, Danilo e Nana, que também se revelaram músicos e arrebentaram em meados dos anos 60 e estão aí até hoje. O vozeirão de Nana se sobressaiu, dividiu o palco com os artistas mais legais do rolê, pegou inclusive o Gilberto Gil e hoje tem seu nome ao lado dos principais cantores daquela época. Já Danilo Caymmi é um puta flautista premiado e seu legado, além dos arranjos, se materializa em uma jovem de 26 que atende pelo nome de Alice Caymmi. Vocês já ouviram essa moça cantar? Encerro por aqui porque você precisa dar o play nessa mina...